Saiba como controlar os sintomas da dermatite atópica. Doença aflige 40 milhões de brasileiros

21/06/2017
Dra. Gabriella Albuquerque fala sobre dermatite atópica

A proximidade do inverno traz à tona a preocupação com um distúrbio que aflige cerca de 40 milhões de brasileiros, principalmente as crianças: a dermatite atópica. Conhecida por ser uma doença inflamatória da pele, a dermatite atópica é caracterizada pela formação de lesões avermelhadas, coceira e descamação do tecido cutâneo. É o que explica a dermatologista da Sociedade de Dermatologia do Rio de Janeiro, Gabriella Albuquerque.

- A dermatite atópica é a doença crônica de pele mais comum. Ela se caracteriza por um curso crônico e recorrente de coceira e ressecamento de pele, associado a manchas vermelhas. Tem associação genética e muitos apresentam quadros de rinite e asma associados. Ela é mais frequente no inverno porque é justamente nesta época do ano que a pele fica mais seca – afirma.

A doença em questão costuma aparecer cedo, aos 3 meses de idade, e, embora possa persistir a vida inteira, desaparece em 60% dos casos até os 12 anos. A coceira é marca registrada: nos bebês, afeta mais o rosto, o pescoço e as dobrinhas da perna e dos braços. Já nos adolescentes se manifesta em algumas regiões do tronco e das pernas.

- A criança costuma desenvolver seus anticorpos à medida que vai crescendo. Com isto, muitas podem ter remissão da doença aos 12 anos de idade por conta da maturidade do sistema imunológico e por conta do aumento da produção de sebo na pele decorrente do estimulo hormonal – explica Gabriella.

A dermatite atópica faz parte da chamada tríade atópica. São três doenças alérgicas que têm características semelhantes, mas sintomas diferentes: a rinite, a bronquite e a dermatite. E as doenças também têm relação entre si: quando um dos pais tem uma delas, a criança tem 25% de chance de apresentar alguma também, em algum momento da vida. Quando os dois pais tiveram uma das doenças, as chances sobem para 50%. Por ser a menos conhecida do trio de alergia, a dermatite costuma a ser de mais difícil diagnóstico.

Voltar para Blog